quinta-feira, outubro 12, 2006

"O estranho caso do Dr. Jekyll e o Sr. Hyde"


O título, sugestivo para o momento político brasileiro, é de uma novela de Robert Louis Stevenson. Dr. Jekyll, renomado médico, produz uma substância capaz de separar a parte boa e a parte má de uma pessoa. A fórmula não atinge o resultado esperado e o Dr. Jekyll acaba se transformando no monstruoso Mr. Hyde.
A tática de campanha adotada pelo PSDB/PFL no debate presidencial produziu efeitos não desejados pelo comando de campanha de Geraldo Alckmin. O tom agressivo dos ataques destoou com o perfil conciliador que até então angariava simpatia dos indecisos e intenções de votos para o candidato tucano.
É claro que a mensagem foi bem aceita pelos eleitores cativos do governador, aqueles que compõem os votos consolidados. Mas não é desses que ele precisa e sim dos indecisos!
A substância, já ingerida, não poderá ser metabolizada antes do segundo turno. O que coloca o ninho tucano num dilema: suavizar os ataques e correr o risco de perder pontos com os seus eleitores cativos; ou manter o tom e assustar os eleitores de Heloísa Helena e de Cristóvam Buarque, bem como os indecisos. Em ambas as hipóteses uma certeza é possível: aumentarão o número de eleitores que votarão nulo ou em branco.
Mais informações sobre o estranho caso do também médico Dr. Jekyll podem ser obtidas na Wikipédia (clique aqui).

3 comentários:

Sandro Sell disse...

Tentaram transformar o picolé de chuchu em suflê de pimenta e o resultado foi o previsível... Se antes alguns eleitores iriam saboreá-lo porque era ruim de gosto, mas bom para os nervos, agora nem isso. Até o debate, ele era simplesmente amorfo (inodoro e insípido) agora é tudo isso e irritante - mas pode se tornar apaixonante, se você der uma olhadinha na Veja, que, mais uma vez, se superou na panfletagem pró psdb...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.