sexta-feira, abril 13, 2007

CIDADANIA EM CAMPANHA

Inauguramos hoje mais um espaço em nossa cidade virtual: CIDADANIA EM CAMPANHA. Vamos inserir banners de campanhas políticas de defesa dos Direitos Humanos e da Cidadania que acontecem pelo mundo afora (literalmente!).
Essa primeira campanha é do site Live365.com (webcasting community) contra a cobrança exagerada de direitos autorais para aquilo que poderíamos traduzir como rádios alternativas da internet. Segundo esse site existem em torno de 10.000 estações que reproduzem mais de 250.000 artistas por mês nos EUA. Uma delas, inclusive, é a favorita do CIVITATES quando o assunto é Jazz: KKJazz.
A cobrança a ser feita pelo Copyright Royalty Board (CRB), uma espécie de órgão fiscalizador dos direitos autorais nos EUA, será de no mínimo US$ 500,00 por ano para cada canal, sem falar nos cálculos acima desse valor por número de acessos.
Tal medida em defesa de interesses corporativos da mega-indústria fonográfica mundial - produtora dos mais variados tipos de enlatados culturais, repletos de conservantes, antioxidantes e outras drogas que os tornem palatáveis para a massa de consumidores -, acarretará uma diminuição significativa na diversidade cultural que se expressa por meio desses Broadcasters.
No Brasil temos o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD - uma sociedade civil, de natureza privada, instituída pela Lei Federal nº 5.988/73 e mantida pela atual Lei de Direitos Autorais brasileira – 9.610/98. Clique aqui para conhecê-lo).
Um bom assunto para aqueles que ainda crêem numa internet livre!

Um comentário:

FCMO disse...

Excelente iniciativa Adriano! Direitos Autorais relativos às composições musicais seriam importantes caso remunerassem, de fato, os compositores e intérpretes. Na verdade, a cobrança mencionada é uma tentativa de neutralizar rádios alternativas, com diversidade musical não comercial. Hoje, infelizmente, as rádios FM somente se sustentam com o "Jabá" e somos torpedeados por várias toneladas de Rap. Rap de protesto? De defesa cultural negra? Não, de um Rap sexual e de baixíssimo nível. Hoje Rap é uma bateria eletrônica, uma voz masculina, uma feminina quase infantil e expressões como "I wanna give you my lollypop", "the guys love my butt", "shake that ass", etc. Liguem uma rádio pop e façam a experiência: a cada 4 músicas uma delas tem esse perfil. Viva a diversidade, o Jazz e o Rock. Falando em Rock - katacultura.blogspot.com
Felipe.