quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Classes sociais no Brasil

Ser classe média no Brasil é a forma mais sutil de desfarçar riqueza ou pobreza.
Para a "revista" Veja basta ganhar uns R$ 10 mil por mês que o sujeito vai ser classificado como de renda mediana.
A matéria copiada abaixo demonstra que a realidade é muito mais complexa que o olhar reacionário das viúvas da Redentora ("Ai que saudades da Marcha da Família com Deus e pela Liberdade!!!" devem dizer os editores da Folha, do Estadão do Diário Catarinense/Zero Hora).


"Brasil tem diferenças dentro de uma mesma classe social, diz pesquisa

Marli Moreira
Repórter da Agência Brasil


Brasília - A definição das classes sociais em A, B,C, D e E escondem características que podem ser essenciais para melhor definir um novo produto de consumo ou mesmo onde e como os órgãos públicos devem realizar obras de serviços à população como um hospital. A constatação foi feita pela Serasa Experian, empresa de consultoria do setor privado, que realizou um estudo semelhante ao que já existe em 29 países.

Por meio do cruzamento de dados cadastrais da companhia, do censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e da Pesquisa Nacional de Amostragem Domicialiar (PNAD), foi feita uma espécie de radiografia social.

Nesse mapeamento, foram identificados 39 segmentos distintos dentro de dez grupos ( A: Ricos, sofisticados e influentes; B: Prósperos e moradores urbanos; C: Assalariados urbanos; D: Empreendedores e comerciantes; E: Aspirantes sociais; F: Periferia jovem; G: Envelhecendo na periferia; H: Aposentadoria tranquila; I: Envelhecendo no interior; J: Brasil rural.

Todos foram separados em função da renda, da geografia, da demografia, de padrões estabelecidos, e estilo de vida. Entre eles estão moradores ribeirinhos da Grande Amazônia (1,47%), um dos sete do grupo Brasil Rural; aposentados rurais do Nordeste (4,03%), um dos três do grupo Envelhecendo no Interior e jovens trabalhadores de baixa renda (3,55%), um dos seis do grupo F (Periferia Jovem).

Segundo Juliano Marcílio, responsável pelo trabalho, o resultado é uma ferramenta de múltiplas aplicações. “Tanto pode ser usada por empresas quanto órgãos públicos”, disse ele, defendendo que “toda a empresa precisa entender melhor o ambiente e o consumidor final”.

Quanto ao uso por entidades governamentais, ele informou que uma campanha antitabagista, desenvolvida na Inglaterra, foi definida com base no mesmo tipo de conjunto de informações. Ela afirmou que “quando se fala da periferia se cria um arquétipo. Mas na nossa segmentação construímos nove segmentos distintos de moradores com anseios e desejos característicos”.

A socióloga Cristina Panella, um dos dez professores da Universidade de São Paulo que analisaram os dados, disse que o estudo permite “aumentar, consideravelmente, o entendimento dos diferentes grupos na sociedade brasileira e não só por uma única ótica”. Para ela, isso pode ajudar nas estratégias de marketing não apenas por partes das empresas do setor privado quanto de órgãos públicos.

Nesse trabalho, segundo ela, foi possível entender melhor, por exemplo, algumas mudanças sociais com o ingresso de famílias de baixa renda na classe média. Ela observou que em uma mesma residência, às vezes, passam a morar novos agregados da família e isso reduz o gasto médio da moradia."

Nenhum comentário: