domingo, outubro 08, 2006

O calo das pesquisas eleitorais

Nem bem começou a corrida eleitoral do segundo turno e já temos pesquisas de intenção de voto diametralmente opostas quanto aos índices apontados para a disputa presidencial.
Desconfiado da disparidade apresentada entre a pesquisa do Datafolha e da Vox Populi em relação à pesquisa da Brasmarket, procurei mais informações sobre o que poderia estar acontecendo.
Sobre a Brasmarket há um nota num jornal de Sergipe que aponta suspeita de pesquisa tendenciosa entre aquele eleitorado no primeiro turno (clique aqui). O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba suspendeu a divulgação de pesquisa realizada naquele estado pela mesma empresa (clique aqui).
Consultei vários sites de jornais e não houve, até agora, nenhuma repercussão da pesquisa Brasmarket.
Não há nada de concreto que aponte direcionamento dessa pesquisa, porém a disparidade é grande entre os institutos e a empresa.

2 comentários:

Zé Renato disse...

Olá Adriano. Não sei como as coisas vão nos demais Estados da Federação, mas no Paraná o jogo eleitoral, além de sujo - no caso o jogo jogado nas periferias - é truculento. Herança das grilagens de terra que caracterizaram nossa história e ainda permanecem em alguns grotões, com participação de grupos políticos (que passam de pai para filho) com apoio do Poder Judiciário. Em contraposição, surgiu grupo que usa dos mesmos métodos abjetos e que se vale de lideranças ditas "de esquerda" que mantêm sua massa de manobra na ignorância. Some-se a isso uma imprensa medíocre. Paraná é decadente, seus indicadores decepcionantes. Ambos os grupos em disputa, cada um a seu modo, só querem tomar de assalto o Estado. Quanto às pesquisas eleitorais, faz tempo que seus dados não se confirmam nessa "terra de ninguém".

Cíntia Capri disse...

Oi Adriano!
No dia da votação do primiero turno ouvi o candidato Gerson Basso, na CBN-Diário, falar que "enquanto a justiça eleitoral permitir a divulgação de pesquisas a democracia não estará sendo praticada na íntegra".
Concordo, com algumas considerações.
Acho que deve haver pesquisa sim. Mas não que elas sejam de responsabilidade dos partidos E QUE ISSO FIQUE BEM CALRO PARA A POPULAÇÃO. Que fique claro que as informações podem ser manipuladas, que há interesse em jogo.
Muitos eleitores, a maioria deles, escolhe o candidato na hora (isso já foi até divulgado por um PESQUISA, rs) e também na maioria das vezes opta pelo voto útil. As pessoas não querem "jogar o voto no lixo", expressão que já ouvi de muitos colegas de trabalho. Gente com estudo, com um certo nível de conhecimento a respeito da tal "democracia".
Acho que temos que jogar nosso voto no lixo sim, se o Lixo for o melhor candidato na nossa opinião.
Mas como saber, não é, se não estamos sendo enganados pela "campanha publicitária"?
O que eu acho que a Justiça Eleitoral deve proibir é a participação de profissionais do ramo na "construção" de candidatos". Mas este é um outro assunto...
Beijo!