segunda-feira, outubro 15, 2007

Eremildo - o idiota



Aproveito a oportudidade aberta com a publicação de parte da coluna do jornalista Elio Gaspari no CIVITATES* para divulgar a minha mais recente descoberta literário-jornalistica: a origem do Eremildo, o idiota.
Os leitores de Elio Gaspari conhecem bem esse personagem que marcou presença na coluna do jornalista durante a década de 90. Até hoje não se sabe se há algum parentesco entre Eremildo e a Velhinha de Taubaté, muito embora os dois comunguem da mesma conciência ingênua que os leva a acreditar em tudo o que os governantes dizem.
Por ora posso afirmar que Eremildo, ou melhor, a sua ilustração, tem origem distante, muito distante dos dias atuais. Mais precisamente, podemos encontrá-la na edição das obras de François Rabelais, publicada por Joseph Bry em 1854. A ilustração ficou ao cargo de Paul Gustave Doré.
No livro de Rebelais, Gargântua e Pantagruel (1532 - reedição 2003), não há nenhuma referência a Eremildo. O capítulo no qual encontramos sua imagem tem por título: Porque os monges fugiram do mundo, e porque uns têm o nariz maior do que os outros.
Cito uma das partes do capítulo e deixo a outra para estimular aos curisosos que comprem ou emprestem o livro (a propósito, imperdível!):
"Por que será que Frei Jean tem um nariz tão bonito? disse Gargântua - Porque Deus assim quis, respondeu Grandgousier: o qual nos faz de tal forma e para tal fim segundo o seu divino arbítrio, do mesmo modo que um oleiro faz os seus potes. - Porque, disse Ponocrates, ele foi um dos primeiros a ir à feira dos narizes. Escolheu os mais bonitos e maiores. - Ora, disse o monge, segundo a verdadeira filosofia monástica, foi porque a minha ama tinha tetas moles, e, quando eu mamava, o meu nariz se afundava nelas como em manteiga, e lá crescia como a uva esmagada cresce no lagar. As tetas duras das amas fazem meninos ter nariz chato. Mas vamos, vamos, ad formam nasi cognoscitur ad te levari. Não gosto de confeitos. Pajem, aos assados!"
Eremildo é uma invenção de Elio Gaspari inspirada em Rebelais? Em certa medida sim, pois a comédia é o estilo eleito por ambos. Todavia Rebelais apresenta uma releitura das lendas e anedotas medievais e seus gigantes Gargântua e Pantagruel, na qual faz constantes ataques aos escolásticos da Sorbonne. Os gigantes ridicularizam o ambiente que lhes circunda. Já em Gaspari, Eremildo é quem é ridicularizado pelo ambiente que o circunda.

* quando ele souber desta honraria, tenho certeza que comunicará Madame Natasha para que averigüe o estilo primoroso com o qual brindamos nossos leitores.

3 comentários:

Gustavo Pedrollo disse...

Muito boa, excelente descoberta! Chegaste nela por acaso, lendo o livro???
Grande achado, sou fã do Eremildo e da Madame Natasha.

Adriano De Bortoli disse...

Completamente por acaso. Vi o livro na estante da saraiva e decidi comprar. No meio da leitura encontrei o Eremildo, foi ilário, rs.
Falta saber de onde veio a Madame Natasha.

Letícia de Campos Velho Martel disse...

Essa foi muito boa...