terça-feira, maio 20, 2008

Judicialização do outro mundo...

Puxei do Blog do Nassif:
Do jornal Folha de São Paulo:
Associação quer espiritualizar o Judiciário
A recém-criada Associação Jurídico-Espírita de SP defende, entre outros pontos, o uso de cartas psicografadas nos tribunaisAlém de juízes, entidade reúne promotores, delegados e advogados; "o Estado é laico, mas as pessoas não", diz o promotor Tiago Essado

(...)
"Não enxergaria nenhuma diferença entre uma declaração feita por mim ou por você e uma declaração mediúnica, que foi psicografada por alguém", diz Alexandre Azevedo, juiz-auxiliar da presidência do CNJ, designado pelo conselho para falar a respeito das associações.
A Folha levantou quatro decisões em que cartas psicografadas, supostamente atribuídas às vítimas do crime, foram usadas como provas para inocentar réus acusados de homicídio.
Segundo Zalmino Zimmermann, juiz federal aposentado e presidente da Abrame, o propósito da associação "é questionar os poderes constituídos para que o direito e a Justiça sofram mais de perto a influência de espiritualizar".
"O objetivo geral é a espiritualização e a humanização do direito e da Justiça", diz.
Para o juiz de direito Jaime Martins Filho, a escolha de sua profissão não foi uma casualidade e, por isso, a exerce como uma missão de vida."Não acredito em acaso, mas numa ordem que rege o universo, acredito em leis universais."E ele explica "a finalidade religiosa da associação"."Dentro da liberdade de religião, são os juízes aplicando princípios religiosos no seu dia-a-dia. Temos um foco que é a magistratura, procurar trabalhar esses valores espirituais que estão relacionados com a própria religião dentro da magistratura", diz Martins Filho.
Búúúú.... leia mais aqui.

2 comentários:

Gustavo Pedrollo disse...

É o país da piada pronta, não tem dúvida, uahahahahahaha.

Mas a grande questão é a seguinte: quem seria legitimado para psicografar as provas? Os tribunais iriam publicar uma portaria todo ano com os legitimados para tanto? Vai ser ad hoc? Ou vão abrir concurso para perito judicial em psicografia? Vou me candidatar...

Expandindo bem o argumento, poderíamos abrir CPIs póstumas, como para investigar, por exemplo, a compra de votos na emenda da reeleição, e chamar o Sérgio Mota prá depor. Ele poderia baixar no Marco Maciel, já pensou que estrago???

Cláudio Ladeira disse...

Boa Guto.
É uma nova e divertida versão da idéia de "Espírito das leis"...